quarta-feira, 27 de abril de 2011

Bula


A vida não me ensinou a
Dizer adeus às pessoas que amo.
Sorrir às pessoas que não gostam de mim.
Fazer de conta que tudo está bem quando isso não é verdade.

Aceitar gratuitamente agressões que não levam a nada nem a lugar algum.
Calar-me frente à violência de qualquer tipo.
Aceitar meus erros como algo inerente ao ser humano.
Afinal eu posso ser sempre melhor.

A aceitar as injustiças quando tudo que fazemos
é só tentar ajudar as pessoas.
Sorrir quando o que mais desejo é gritar todas as minhas dores para o mundo.
Ficar inerte quando os que amo estão com problemas.
Ser hipócrita;

Amar aos que me machucam ou querem fazer de mim depósito de suas frustrações e desafetos.
Ficar em cima do muro.
Fechar meus olhos às injustiças;
Ser imune à dor de um irmão, de um amor, de um amigo.

Perdoar incondicionalmente, mas sempre procurar perdoar.
Amar incondicionalmente.
Tudo isso a vida não me ensinou,ou tentou ensinar-me, mas meus ouvidos estavam surdos e só ouviram algumas coisas.
Porém a  Bula da vida ensinou-me e colocou em meu caminho:

Algum amor;
Alguma alegria;
Algumas belezas;
Um pouco de poesia.
Ensinou-me a algumas vezes, perdoar.

Outras, a pedir perdão.
Ensinou-me a sonhar acordada (e isso eu aprendi facilmente).

A acordar para a realidade (sempre que fosse necessário).
A aproveitar cada instante de felicidade;

A chorar de saudade sem vergonha de demonstrar.
Me ensinou a ter olhos para “ver e ouvir estrelas”,
 embora nem sempre consiga entendê-las.

A ver o encanto do pôr-do-sol.
A sentir a dor do adeus e do que se acaba, sempre lutando para preservar tudo o que é importante
para a felicidade do meu ser.
A abrir minhas janelas para o amor;
a não temer o futuro;

Aproveitar o presente como um presente que da vida recebi,
e usá-lo como um diamante que eu mesmo tenha que lapidar
lhe dando a forma da maneira que eu escolher.
E é dessa forma que tento viver e levar a minha vida
para frente, embora às vezes eu tropece,
como qualquer ser humano normal,
afinal faz parte da edificação, do crescimento!

Nenhum comentário:

Postar um comentário