quarta-feira, 27 de abril de 2011

Te amo e Adeus

Alta madrugada.
Desperto, espero pelo sono que não vem.
O perfume da noite está no ar; tudo é silencio.
A lua fugiu de meus olhos; apenas algumas estrelas fazem companhia à minha insônia, luzindo esperança,
enquanto sobre a folha branca deixo cair um pensamento,
talvez o último, que cantará baixinho no meu coração, antes que a noite se vá e eu também adormeça. Amando, vou dedilhando letras, que falam de amor,
sonhando com uma canção que embalou minha vida,
repleta das mais lindas emoções,
supondo voltar a acordar nos braços teus.


Que loucura!
suspirar à procura de respostas,
para perguntas que a verdade esconde
nas máscaras da fantasia, serenando a ilusão passageira, sofrida, que orvalhou a flor da manhã.


Ah! saudade encantada,
ficarás eternizada nos versos,
que observou em detalhes, na contramão do destino, insistindo em não ver a luz da vida apagar, em todas as estações,
subtraindo o desejo submisso, à ordem da verdade, que comanda a hora certa da substituição,
carregando na colheita todos os sonhos
desfeitos, não sonhados, ou realizados,
com o derradeiro lacre da perfeição.


Sem alternativas, o tempo findou.
chegou o momento final da primeira conjugação.
Hora de ir, partir, seguir o rumo, em silencio,
sem saber pra onde, deixando no rastro as pegadas
do amar, do chorar, e implorar, à dor,
o último aceno da saudade,
sabendo que sofrer, é dizer, no viver:

te amo…e Adeus

Nenhum comentário:

Postar um comentário