terça-feira, 31 de maio de 2011

Até que chegue a hora



Tudo podia terminar ali,
Você olhou para mim como se fosse a última vez
E eu não podia e nem queria aceitar isto.
Se eu pudesse salvar seu coração...
Tudo seria em vão?
Assisti... O que meus olhos viam,
O meu coração sentia.
A dor, a tristeza, a... Morte,
Parecia tudo tão surreal,
Um sonho mal compreendido do qual não acordara.
Você ali, os teus lábios sussurrando com as forças que lhe restava,
Mas eu ainda não te escutava.
Não pude sorrir para lhe dar uma esperança.
Somente chorei... Porque as lágrimas fugiram de mim,
Não vi, nem percebi.
O vento que atravessava era nostálgico como o pranto,
As folhas dançavam pelo local e parecia que dormiam ali, caídas.
Entre tudo o que podia pensar...
A vida, como continuá-la,
O futuro, como agora poderia ser.
Mas de tudo, pensei em não te deixar só... Te guardar, velar o teu sono,
Bem do teu lado.
Dar-lhe aconchego, amor, ternura, segurança...
Se ao menos eu salvasse o teu coração,
Teria sido em vão?
Eu ofereceria a minha vida no lugar da tua,
O meu coração no lugar do teu,
A minha alma em vez da tua...
Somente para te salvar por inteira...
Hoje, seria eu quem estaria ai, onde você está.
Hoje, seria eu quem dormiria profundamente.
Mas não sou eu, infelizmente.
Hoje, eu velo o teu sono, sem descanso...
Acordado até que chegue a hora de nos encontrarmos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário