domingo, 3 de julho de 2011

Nada além de um palhaço



Não leva nada consigo alem de sonhos, para traz , apenas a platéia a gargalhar.
No peito , dores , sonhos e ilusões de uma breve carreira, marcada por risos e aplausos da vibrante platéia ao longe, nada fez de importante, e o picadeiro que outrora fora sua morada, agora outro encena o espetáculo , traz alegrias e novos sonhos ao palco .

Assim sai o palhaço de cena, deixa para traz o que tinha, o que valia a pena, a platéia feliz porem pequena – deixa ela nos braços de outro que a fará chorar, de tristeza , de remorso quem sabe , ou apenas chorar – a platéia ficou agora onde os anseios e sonhos se confundem com lembranças – no passado.

Assim o palhaço sai de cena, com as vestes pulidas com estripulias, com a cara inchada de tanto forçar um sorriso – com a flor roxa dos otários indo pro lixo, sem sapatos agora com os suspensórios  amarados – com elásticos frouxos e calçolas a cair.

Assim o palhaço sai de cena, sem o chapéu coco,  - e no peito um coração costurado, sem vida – sem espetáculo sem aplausos ; e de longe só admira a alegria do público que ele queria só seu  .

Assim o palhaço sai de cena, na certeza de ter feito mas que podia ser feito, é verdade que não é perfeito, mas a platéia sorria – a platéia também não mentia – é verdade que ela sorria, mas outro show ela preferia – não ela nunca mentira.

Assim sai o palhaço, mudo sem nada dizer  - a platéia não quer tanta felicidade , apenas a certeza do que já tem  - o mínimo que tem para esboçar um sorriso amarelo e sem graça e em um soluço, dar um riso .

Aqui vai o palhaço, cabisbaixo  - apaixonado pelo picadeiro que agora outro encena um pobre espetáculo, e a platéia – ali só aguardando  - quem sabe a platéia se cança e ali no canto, perceba que cabisbaixo na penumbra da coxia existe aquele velho palhaço  chorando. . .

La vou eu o palhaço, de nariz vermelho e pés descalços, maquiagem borrada , chorando aplausos – caminhando no esquecimento-é verdade e não escondem , o coração da mulher é um picadeiro, onde o único palhaço é o homem. . .

Olha pra mim . . .  nada além de um palhaço .

3 comentários:

  1. Eu gostei muito deste post.
    Gosto muito do jeito que você escreve; tem um lado dramático e surpreendente no final.

    Bom domingo...

    http://modaeexcelencia.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  2. Olá.
    Voc~e escreve muito bem, e gostei do blog estou seguindo!
    Se puder me segue também ^^

    http://www.empadinhafrita.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. parabéns! você escreve muito bem!

    to seguindo, retribui no meu blog?
    http://bonecadepanorosa.blogspot.com/

    ResponderExcluir