segunda-feira, 11 de abril de 2011

Inesquecível . . .



Inesquecível tua voz, teu acalanto,
como também as horas que passei contigo;
e as lembranças que hoje são o meu castigo
e que temperam com pimenta este meu pranto.

Inesquecível, mais que meu amor primeiro.
foi o momento em que te amei qual louca
(eu não sabia: era o encontro derradeiro)
e cuja falta deixa amarga a minha boca.

Inesquecível para mim o teu carinho
que hoje recordo na frieza do meu quarto.
Inesquecível : tua ausência em meu caminho
e tão sozinho busco amparo em minha mente teu retrato.

Se para ti nada mais são esses momentos,
se nem ao menos rondam mais teus pensamentos
se nada fui, ou se o fui, já não sou nada,

Por que, então, de vez em quando me procuras
para trazer-me mais tristezas e amarguras
deixando após, mais solitária a caminhada?

Não Sei Amar . . .



Hoje descobri que não sei amar... 
Pelo menos não do mesmo modo
Que tu, a quem eu amo loucamente,
Pareces dizer amar a vida efusivamente...
Hoje descobri que não amo,
Tu fizeste-me acreditar que não
Porque se não amo da maneira que tu amas
Como posso dizer que amo, então?
Hoje descobri que não sei o que é
Dizer a alguém o quanto amamos!
Se não sei o que é amar
Como é que o hei-de conseguir mostrar?
Disseste-me que sou um bobo
E e os bobos não sabem amar.
Bobos só fazem o que querem
E se não o conseguem desatam a chorar.
Não! Pára! Não foi isso que descobri!
Descobri sim, que amo demais! A quem? A ti?
Não sei amar de outro jeito,
Não, desde que te conheci!
Como podes dizer que não sei amar
Se não te consigo olhar de outra maneira?
Como podes dizer que sou bobo?
Não sou eu que finjo que amar é brincadeira!
Não! Não amamos da mesma maneira!
Eu mostro o quanto te adoro...
Tu... Simplesmente escondes que amas
Porque tens medo de amar e por isso choro.
Hoje descobri que não sei amar...
Hoje descobri que tu tens medo de amar...
Hoje descobri que a vida me ensinou a amar...
Ela vai-te ensinar a ti, a mostrar...

Hoje resumindo minha vida





Hoje resumindo minha vida...
chego a conclusão que sou apenas, uma triste poesia.

Meu coração anda solitário, meu peito amargurado...
Não posso tirar dele, nada mas de amor guardado.

Em mim resta só a alma...
Essa que perdida e sozinha, se encontra.

O que mais tirar de mim, se tudo te dei...
Eu por completo!!!

Vejo seus olhos e com tamanha alegria...
que os meus, se envergonham em plena luz do dia...

Mesmo assim ainda insisto e resta em mim...
Triste poesia...

Ter você, já não vejo como, ser teu, não posso ser...
Ter alegria??? Esta você já levou a muito tempo!

Na tua ausência em meus dias.
Dura paixão me cobre a alma, martirizando...
e ferindo meu coração.

Que amor demais é esse, que queima feito vulcão...
Resta-me nada... Nada tenho...


E em minha alma apenas...
Triste poesia!!!

Hoje 11/04/2011


Tudo hoje pode ser...Amanhã talvez....ontem passou... Mas com certeza tudo um dia será diferente, aí poderei sorrir com as flores, voar com os pasaros, cantar como os anjos e amar como uma criança , sem maldade, sem preocupação com o tempo, lugar , ou hora de chegar, brilhar como uma estrela que foge de seu destino e estar presente como o sol todas as manhãs , que pode não ser visto , mas sempre esta atraz de alguma nuvem, assim então direi é hoje.